terça-feira, 16 de agosto de 2011

Módulo Básico - Aula 12 - RAW vs JPEG

Olá pessoal, desculpem o tempo sem postar novas aulas. Nos últimos dias estive bastante ocupado e não tive tempo de postar antes. Na aula de hoje vamos aprender sobre os dois formatos de imagem mais usados na fotografia e conhecer as vantagens e desvantagens de cada um.


RAW vs JPEG

Todos já devem conhecer um deles, o mais usado de todos, o JPEG. Este sem dúvida é o formato mais popular, tanto para fotografias quanto para outros tipos de imagens, principalmente na internet. JPEG vem de Joint Photographic Experts Group(Grupo de Especialistas em Fotografia), o nome original do grupo que desenvolveu os algoritmos de compactação dos arquivos deste formato. Este formato é tão popular justamente devido a sua alta taxa de compactação sem muitas perdas visíveis no resultado final.

O outro formato, o RAW, talvez não seja tão familiar para você, se nunca teve uma câmera mais avançada do que as compactas tradicionais, que normalmente só produzem arquivos no formato JPEG. O RAW vem do inglês, que pode ser literalmente traduzido como "cru" ou "bruto". E é isto mesmo que ele representa, o arquivo RAW, por ser um arquivo bruto, é totalmente livre de compactação ou processamento.

Por não possuir nenhum tipo de compactação, os arquivos gerados são muito maiores do que os tradicionais JPEG, ocupando o cartão de memória da sua câmera muito mais rapidamente. RAW é apenas a denominação que se dá a estes tipos de arquivos, a extensão dos arquivos variam de fabricante para fabricante. As câmeras da Nikon, por exemplo, adotam o formato NEF, já as câmeras da Canon adotam o CRW ou o CR2.

O formato RAW também é chamado de negativo digital, por ser um arquivo que ainda não está pronto para ser visualizado. Você lembra da época dos filmes, em que o filme em si não era a foto pronta, mas apenas um esboço que posterioremente seria usado em um processo químico para gerar a verdadeira fotografia em uma determinada ampliação escolhida? O RAW funciona praticamente da mesma maneira. Se você tentar visualizar um arquivo RAW diretamente no visualizador padrão do Windows como se fosse uma imagem qualquer, você não vai conseguir, exatamente por este motivo.

O RAW, assim como o negativo, precisa receber o devido processamento antes de estar pronto para a visualização normal, só que ao invés do processamento químico como no filme, o processamento é feito digitalmente em um programa específico de edição.



Todas as câmeras que produzem arquivos no formato RAW acompanham um CD de instalação com o programa de processamento para este formato de arquivo, no entanto, os programas mais populares para edições deste tipo são os dois da Adobe, o Photoshop com o plugin Camera RAW e o Lightroom. Se a sua câmera possui ajustes de exposição manuais, é possível que ela também produza arquivos no formato RAW. Consulte o seu manual para obter mais informações.

Agora você deve estar se perguntando: "mas qual é a vantagem de usar um formato de arquivo que só ocupa mais espaço?". Na verdade, muitas. Justamente por se tratar de um arquivo bruto, sem nenhuma compactação, ele guarda precisamente todos os dados originais obtidos pelo sensor da câmera na hora da foto. Comparado ao JPEG, com o RAW conseguimos obter edições posteriores visivelmente superiores.

Por exemplo, se você tirar uma foto com a exposição errada em JPEG, você praticamente pode dizer adeus a ela. É claro que ela também pode ser editada e receber um retoque de melhoramento, mas vai ficar nitidamente visível que ela recebeu uma edição pesada. O resultado não vai ficar nada natural, acredite.

Como imagens falam mais do que palavras, vamos a alguns exemplos práticos. Observe como a recuperação de uma foto mal exposta muda completamente de um formato para outro. Clique nas imagens para ampliar.




As fotos foram propositalmente feitas com a exposição totalmente errada apenas para ilustrar como a recuperação de uma foto no formato RAW é muito superior a uma em formato JPEG. Na maioria das vezes, se a exposição de uma foto ficar ruim, provavelmente ela não vai ficar tão mal exposta como nos exemplos acima, então, com certeza você vai obter resultados ainda melhores do que os ilustrados, fazendo a edição da imagem da melhor maneira possível.

Resumidamente, você pode concluir com estes exemplos que até uma foto que ficou uma verdadeira "tragédia" pode ser satisfatóriamente recuperada se ela for feita originalmente no formato RAW. Seria uma pena ser impossível de recuperar aquela foto tão especial em um evento único que nunca mais vai se repetir, não é mesmo? Por isso, o uso do formato RAW é mais do que recomendado quando você for fazer fotos importantes que não podem ser perdidas de maneira alguma.

O formato RAW não deve ser sempre considerado como escolha única do formato de imagem, pois ele também tem as suas desvantagens, assim como o JPEG também tem suas vantagens. Vejamos as suas vantagens e desvantagens.

Vantagens

- Qualidade: O formato RAW consegue capturar originalmente uma quantidade de tons incrivelmente superior ao JPEG. O formato RAW de 12 bits consegue atingir uma quantidade aproximada de 68 bilhões de cores diferentes, já o formato de 14 bits, consegue atingir a incrível quantidade aproximada de 4,3 trilhões de cores diferentes. O JPEG, com apenas 8 bits, consegue atingir a quantidade aproximada de meras 16 milhões de cores diferentes, uma quantidade praticamente insignificante se comparada aos outros formatos RAW.

- Possibilidade de Edição Superior: Como ilustrado anteriormente, uma foto mal exposta, se capturada originalmente em RAW não é uma foto perdida. O mesmo não pode se dizer do JPEG, que consegue resultados pouco satisfatórios nestes casos. Além da possibilidade de correção da exposição, existe um enorme leque de possibilidades de edição de uma foto no formato RAW sem perda de qualidade no resultado final, tal como o ajuste do balanço de brancos, do contraste, do brilho, entre outras coisas.

Desvantagens

- Tamanho: O arquivo RAW é muito maior do que o JPEG, normalmente ocupa cerca de 3 a 4 vezes mais espaço do que o JPEG em qualidade máxima. Isso exige o uso de vários cartões de memória pequenos ou um de capacidade excepcionalmente grande no caso da necessidade de tirar muitas fotos em um lugar que não haja a possibilidade de descarregá-las no computador ocasionalmente.

- Velocidade: Por ser um arquivo muito maior do que o JPEG, a velocidade de gravação do RAW no cartão de memória é muito mais lenta. A quantidade de fotos que podem ser tiradas continuamente fica muito menor. Este fator pode fazer toda a diferença em uma situação que se precisa da velocidade máxima que a sua câmera pode oferecer, especialmente em esportes, como no final de uma corrida ou no gol decisivo de um jogo de futebol.

- Necessidade de Processamento: O arquivo RAW, como dito anteriormente, não é uma foto pronta para visualização e uso. Para poder enviar a um amigo, postar na internet ou mesmo imprimir, você precisa antes editar e processar a foto em RAW antes que ela se torne utilizável.

Isto nos leva a conclusão de que ambos os formatos tem as suas vantagens e desvantagens, cada um indicado para uso em determinada situação. Se você precisa de velocidade, não quer ter o trabalho de editar foto por foto ou mesmo não se importa tanto com o resultado final, fotografe em JPEG. Do contrário, se você tem bastante tempo para fazer a foto, gosta de fazer edições e preza a qualidade em primeiro lugar, fotografe em RAW.

Espero que tenham entendido e gostado da aula de hoje. Como eu disse no início do post, ultimamente estou meio sem tempo, e como eu gosto de fazer cada aula muito bem explicada e escrita, preciso de bastante tempo livre para elaborar cada aula. Depois da aula de hoje, vou tentar fazer o possível para manter a atualização média de pelo menos uma nova aula por semana, podendo ser mais ou menos tempo do que isso.

Até a próxima aula!

Aula Anterior   Próxima Aula